• Icones
  • INSTRUMENTOS PARA CONSULTA

  • Conheça as 11 ações que os funcionários do CREA-PR se comprometeram a executar em sua rotina diária:

    1 - Desligar o monitor na hora do almoço
    * é obrigatório desligar CPU e monitor após o expediente

    2 - Apagar todas as luzes na saída para o almoço
    * é obrigatório apagar todas as luzes após o expediente

    3 - Trocar o uso de copinho plástico para o café/chá por caneca

    4 - Adotar o uso de garrafa de água, ao invés do uso constante de copinhos plásticos

    5 - Separar o lixo em: papel, vidro, plástico e orgânico

    6 - Manter em local definido folhas utilizadas na frente para nova utilização na impressora (verso)

    7 - Manter local definido para depósito de papel já usado nos 2 lados (para descarte)

    8 - Antes de guardar o papel para reuso ou destinação final tirar clips e grampos

    9 - Ficar alerta para identificar e avisar sobre lâmpada queimada, torneira vazando, descarga desregulada, paredes sujas, etc

    10 - Ter comprometimento com o cuidado do ambiente

    11 - Reaproveitar os envelopes de papel, com novos usos

  • Conheça as sugestões encaminhadas pelo corpo funcional

    1 - Implantar PGRS nas unidades do CREA-PR

    2 - Buscar parceria com cooperativas e associações de catadores de papel para destinação do lixo coletado de forma seletiva

    3 - Mapear os utensílios disponíveis para coleta de lixo (lixeiras, cores, suporte para copo, café e água)

    4 - Modernização do ar condicionado (Lda)

    5 - Substituir frota a gasolina para uso de biocombustível (etanol)

    6 - Melhorar processos buscando maior adesão à documentos eletrônicos

    7 - Implantar programa de redução do uso de papel

    8 - Instalar sensor de presença em locais de menor acesso (arquivos, bwc, por exemplo)

    9 - Substituir torneira dos banheiros por torneiras de pressão

    10 - Criar mensagem positiva, voltada a sustentabilidade, para inserir na assinatura dos e-mails dos funcionários

    11 - Adotar uso de 100% de papel reciclável

    12 - Disponibilizar garrafa térmica para água - uso nos veículos

    13 - Aquisição de picotador de papel (para destinação de material sigiloso / dados cadastrais, etc)

    14 - Verificar melhor forma de destinação para grampos e clips

    15 - Disponibilizar lixeira (tnt) para carro

    16 - Disponibilizar suporte de garrafa (individual) para veículo

    17 - Realizar campanha antitabagismo

    18 - Incentivar adoção de Programa "Carona Solidária"

    19 - Aquisição de caneca de alumínio (para chá e café) em subsituição aos copinhos plásticos

    20 - Rever procedimentos e alternativas a impressão constante de fichas cadastrais

    21 -Adequar a impressão de ARs / sobra de papel

    22 - Realização de Palestras sobre Educação Ambiental

    23 - Fornecer roteirização (GPS) aos agentes de fiscalização - segurança/tempo/produtividade

    24 - Estipular um local para anotar nº de memorandos tramitados internamente no setor, suprimindo assim a impressão do mesmo, deixando-o somente virtual ex: do administrativo para o fiscal)

    25 - Identificar se há alguma restrição de documento que não possa ser impresso em papel reciclado

    26 - Rever os formulários utilizados no atendimento, se é possível inserir alguns campos para anotação de dados da ficha cadastral, suprimindo assim sua impressão

    27 - Priorizar o uso de meios eletrônicos (e-mail, arquivos eletrônicos, etc)

    28 - Analisar formas de reduzir a poluição visual nas unidades do Conselho (painel eletrônico)

    29 - Verificar mecanismo que impeça a incidência direta de luz solar no ambiente de trabalho, de modo que se mantenha a iluminação e a ventilação através das janelas

    30 - Instalação de sistema eletrônico de controle de luz (acende e apaga com horário agendado)

    31 - Verificar a viabilidade de secadores de mão com ar quente em substituição de toalhas/papel

    32 - Incentivar o uso de bicicleta (casa/trabalho/casa)

    33 - Disponibilizar bicicletário e também um vestiário (troca de roupa e banho)

    34 - Promover o “dia sem elevador”

    35 - Verificar a viabilidade para disponibilizar ônibus de transporte ao corpo funcional

    36 - Desligar a máquina fotocopiadora ao sair

    37 - Incentivar o corpo funcional a praticar o voluntariado

    38 - Racionalizar recursos não abrindo as unidades em datas de vésperas de feriado (uma vez que é baixa a procura por atendimento)

    39 - Descartar o uso de máquinas de café (foi unanime que pouquíssimos usam) e retornar ao café disponibilizado aos setores pela Copa

    40 - Verificar se as sugestões acatadas, estão contempladas no projeto da nova sede (principalmente no tocante a racionalização de água, energia / torneiras de pressão, descarga inteligente, saboneteiras...)

    41 - Disponibilizar orientações ao corpo funcional a respeito do uso dos equipamentos e materiais (o que é mais correto em relação a ligar/desligar, pode reusar o papel na impressora, etc)

    42 - Disponibilizar local de coleta de pilhas e outros resíduos perigosos

    43 - Uso apenas de pautas eletrônicas nas Câmaras Especializadas

    44 - Extinguir memorandos impressos dentro de um mesmo setor

    45 - Inserir como projeto futuro a digitalização de processos e protocolos

    46 - Estudar o uso de envelope vai-e-vem de papel e não de plástico como é hoje

    47 - Redução de certos impressos / funcionários percebem que há sobra de material (ex. catálogo empresarial)

    48 - Reduzir o "volume" do lixo, amassando latas de alumínio, por exemplo

    49 - Não amassar as folhas de papel pois prejudicam a reciclagem

    50 - Disponibilizar palestras sobre o tema de sustentabilidade e apresentação de "cases" de outras empresas

    51 - Motivar os funcionários a adotar "1 dia sem carro"

    52 - Utilizar os banners já usados para a confecção de crachás e outros materiais.

    53 - Rever nº de lanches solicitados para as reuniões, evitando desperdício

    54 - Manter motivados os funcionários com a apresentação constante de sugestões que venham de encontro a filosofia do Pacto Global

    55 - Usar sacos plásticos com cores diferenciadas por tipo de lixo (contemplar no PGRS)

    56 - Instituir o "Dia da Doação" para doação de roupas, livros, objetos, etc

    57 - Comprar produtos de qualidade, evitando o não uso e também possíveis descartes

    58 - Trocar toalheiro atual de tecido por toalhas de papel

    59 - Instalação de rampa de acesso para cadeirante no Desus/Call center (estar preparado para receber cadeirante)

    60 - Disponibilizar caixa coletadora de pilhas, baterias, óleo de cozinha...

    61 - Ampliar a disponibilização de serviços on line. caso do visto profissional entre outros

    62 - Estudar a possibilidade de frota com carros elétricos

    63 - Maior aproveitamento da iluminação e da ventilação natural

  • Anúncios

Turismo solidário


 
Turismo Solidário na Chapada dos Veadeiros
Turismo Solidário na Chapada dos Veadeiros

O Turismo Solidário é um novo segmento turístico que está ganhando espaço no mundo inteiro, e que tem como objetivo aliar o turismo e voluntariado ao combate a desigualdade social, criando uma experiência híbrida que na maioria dos casos, ultrapassa a imaginação, e a expectativa do participante.

A idéia central é empreender ações no sentido de congregar pessoas físicas e/ou jurídicas dispostas a conhecer de perto a realidade de famílias e comunidades que vivem na região turística, com o objetivo de colaborar na melhoria da qualidade de vida e no desenvolvimento humano e social comunitário.

Ja existem empresas no Brasil que promovem o turismo solidário em algumas regiões do país, como na Chapada dos Veadeiros, no Vale do Jequitinhonha e no Norte de Minas Gerais.

 
A destruição causada pelo terremoto no Japão: ajuda na reconstrução

A destruição causada pelo terremoto no Japão: ajuda na reconstrução.

Mas o destaque do momento é que o turismo solidário tem levado voluntários para a reconstrução do Japão.Várias agências de viagem em Tóquio estão criando diversos programas de viagens com destinos e dias de duração adaptados para que, por um preço baixo, entre 180 euros e 460 euros, possam mobilizar o maior número destes turistas-trabalhadores.

Algumas dessas viagens inclusive são de apenas um dia, na qual os voluntários saem de noite e, após 7 horas de estrada de ônibus a partir de Tóquio, chegam às áreas litorâneas devastadas para trabalhar durante cinco horas e voltar ao entardecer.

turismo solidário no Senegal

Turismo solidário no Senegal

A África do Sul é um dos países em destaque neste tipo de viagem. São 16 opções de projetos voluntários direcionados a ajudar a comunidade, crianças carentes, crianças com deficiências, preservação do meio ambiente e animais nativos.

“Além de auxiliar comunidades locais do país de destino e ingressar em projetos sócioambientais, é possível aprender inglês”, relata Solange Pizzo, diretora da SIS Intercâmbio Cultural.

Embora viajar em trabalhos voluntários não seja nenhuma novidade já que iniciativas como Médicos sem Fronteiras existem há anos, no turismo voluntário há uma grande diferença: embora alguns programas de trabalho voluntário exijam experiência e aprovação do currículo, a maioria não requer que o participante seja especialista em alguma área para poder ajudar e ainda concilia vivência cultural com experiência de vida.

A Central de Intercâmbios também oferece pacotes de turismo solidário à Índia, nos estados de Rajasthan, Himachal Pradesh e Goa, onde o voluntário pode participar de projetos sociais e ambientais que envolvem o cuidado com os animais e o meio ambiente. Tem duração de duas a 12 semanas, com possibilidade de extensão. O trabalho nos projetos envolve dedicação diária do voluntário e as atividades duram de cinco a sete dias por semana, entre quatro e oito horas por dia. Para participar é necessário ter idade mínima de 18 anos e conhecimento de inglês em nível intermediário.

O Projeto Bagagem (www.projetobagagem.org), da ONG Alter Nativas, oferece pacotes na Amazônia Ribeirinha (Santarém, no Pará); Gurupá, no Pará; nos Lençóis Maranhenses (São Luis, MA); em Nova Olinda, no Ceará; Santa Rosa de Lima, em Santa Catarina; e em Paraty (RJ). A Amazônia Ribeirinha, primeiro roteiro do projeto, tem o objetivo de levar um pequeno grupo de turistas a um pedaço da Amazônia paraense a partir da cidade de Santarém, navegando pelos rios Tapajós e Arapiuns e visitando algumas de suas comunidades mais organizadas.

Outra opção no Brasil é a Rede Tucum (www.tucum.org), que inclui destinos de turismo comunitário na costa cearense. Uma opção é a Prainha do Canto Verde, uma das primeiras comunidades que ousou ensaiar este tipo de turismo no mundo; ou o assentamento Coqueirinho, comunidade que desenvolve experiências com hortas orgânicas e sistemas agroflorestais.

Leia mais sobre esse assunto no site OGlobo/viagem   
 
Você ja pensou em tirar um folga para ajudar a quem precisa?

Veja algumas empresas brasileiras que estão promovendo o turismo solidário:
http://www.sis-intercambio.com.br/
http://www.travessia.tur.br/
http://www.turismosolidario.com.br/

Mais informações também no site: http://www.brasilsolidario.org.br

Anúncios