• Icones
  • INSTRUMENTOS PARA CONSULTA

  • Conheça as 11 ações que os funcionários do CREA-PR se comprometeram a executar em sua rotina diária:

    1 - Desligar o monitor na hora do almoço
    * é obrigatório desligar CPU e monitor após o expediente

    2 - Apagar todas as luzes na saída para o almoço
    * é obrigatório apagar todas as luzes após o expediente

    3 - Trocar o uso de copinho plástico para o café/chá por caneca

    4 - Adotar o uso de garrafa de água, ao invés do uso constante de copinhos plásticos

    5 - Separar o lixo em: papel, vidro, plástico e orgânico

    6 - Manter em local definido folhas utilizadas na frente para nova utilização na impressora (verso)

    7 - Manter local definido para depósito de papel já usado nos 2 lados (para descarte)

    8 - Antes de guardar o papel para reuso ou destinação final tirar clips e grampos

    9 - Ficar alerta para identificar e avisar sobre lâmpada queimada, torneira vazando, descarga desregulada, paredes sujas, etc

    10 - Ter comprometimento com o cuidado do ambiente

    11 - Reaproveitar os envelopes de papel, com novos usos

  • Conheça as sugestões encaminhadas pelo corpo funcional

    1 - Implantar PGRS nas unidades do CREA-PR

    2 - Buscar parceria com cooperativas e associações de catadores de papel para destinação do lixo coletado de forma seletiva

    3 - Mapear os utensílios disponíveis para coleta de lixo (lixeiras, cores, suporte para copo, café e água)

    4 - Modernização do ar condicionado (Lda)

    5 - Substituir frota a gasolina para uso de biocombustível (etanol)

    6 - Melhorar processos buscando maior adesão à documentos eletrônicos

    7 - Implantar programa de redução do uso de papel

    8 - Instalar sensor de presença em locais de menor acesso (arquivos, bwc, por exemplo)

    9 - Substituir torneira dos banheiros por torneiras de pressão

    10 - Criar mensagem positiva, voltada a sustentabilidade, para inserir na assinatura dos e-mails dos funcionários

    11 - Adotar uso de 100% de papel reciclável

    12 - Disponibilizar garrafa térmica para água - uso nos veículos

    13 - Aquisição de picotador de papel (para destinação de material sigiloso / dados cadastrais, etc)

    14 - Verificar melhor forma de destinação para grampos e clips

    15 - Disponibilizar lixeira (tnt) para carro

    16 - Disponibilizar suporte de garrafa (individual) para veículo

    17 - Realizar campanha antitabagismo

    18 - Incentivar adoção de Programa "Carona Solidária"

    19 - Aquisição de caneca de alumínio (para chá e café) em subsituição aos copinhos plásticos

    20 - Rever procedimentos e alternativas a impressão constante de fichas cadastrais

    21 -Adequar a impressão de ARs / sobra de papel

    22 - Realização de Palestras sobre Educação Ambiental

    23 - Fornecer roteirização (GPS) aos agentes de fiscalização - segurança/tempo/produtividade

    24 - Estipular um local para anotar nº de memorandos tramitados internamente no setor, suprimindo assim a impressão do mesmo, deixando-o somente virtual ex: do administrativo para o fiscal)

    25 - Identificar se há alguma restrição de documento que não possa ser impresso em papel reciclado

    26 - Rever os formulários utilizados no atendimento, se é possível inserir alguns campos para anotação de dados da ficha cadastral, suprimindo assim sua impressão

    27 - Priorizar o uso de meios eletrônicos (e-mail, arquivos eletrônicos, etc)

    28 - Analisar formas de reduzir a poluição visual nas unidades do Conselho (painel eletrônico)

    29 - Verificar mecanismo que impeça a incidência direta de luz solar no ambiente de trabalho, de modo que se mantenha a iluminação e a ventilação através das janelas

    30 - Instalação de sistema eletrônico de controle de luz (acende e apaga com horário agendado)

    31 - Verificar a viabilidade de secadores de mão com ar quente em substituição de toalhas/papel

    32 - Incentivar o uso de bicicleta (casa/trabalho/casa)

    33 - Disponibilizar bicicletário e também um vestiário (troca de roupa e banho)

    34 - Promover o “dia sem elevador”

    35 - Verificar a viabilidade para disponibilizar ônibus de transporte ao corpo funcional

    36 - Desligar a máquina fotocopiadora ao sair

    37 - Incentivar o corpo funcional a praticar o voluntariado

    38 - Racionalizar recursos não abrindo as unidades em datas de vésperas de feriado (uma vez que é baixa a procura por atendimento)

    39 - Descartar o uso de máquinas de café (foi unanime que pouquíssimos usam) e retornar ao café disponibilizado aos setores pela Copa

    40 - Verificar se as sugestões acatadas, estão contempladas no projeto da nova sede (principalmente no tocante a racionalização de água, energia / torneiras de pressão, descarga inteligente, saboneteiras...)

    41 - Disponibilizar orientações ao corpo funcional a respeito do uso dos equipamentos e materiais (o que é mais correto em relação a ligar/desligar, pode reusar o papel na impressora, etc)

    42 - Disponibilizar local de coleta de pilhas e outros resíduos perigosos

    43 - Uso apenas de pautas eletrônicas nas Câmaras Especializadas

    44 - Extinguir memorandos impressos dentro de um mesmo setor

    45 - Inserir como projeto futuro a digitalização de processos e protocolos

    46 - Estudar o uso de envelope vai-e-vem de papel e não de plástico como é hoje

    47 - Redução de certos impressos / funcionários percebem que há sobra de material (ex. catálogo empresarial)

    48 - Reduzir o "volume" do lixo, amassando latas de alumínio, por exemplo

    49 - Não amassar as folhas de papel pois prejudicam a reciclagem

    50 - Disponibilizar palestras sobre o tema de sustentabilidade e apresentação de "cases" de outras empresas

    51 - Motivar os funcionários a adotar "1 dia sem carro"

    52 - Utilizar os banners já usados para a confecção de crachás e outros materiais.

    53 - Rever nº de lanches solicitados para as reuniões, evitando desperdício

    54 - Manter motivados os funcionários com a apresentação constante de sugestões que venham de encontro a filosofia do Pacto Global

    55 - Usar sacos plásticos com cores diferenciadas por tipo de lixo (contemplar no PGRS)

    56 - Instituir o "Dia da Doação" para doação de roupas, livros, objetos, etc

    57 - Comprar produtos de qualidade, evitando o não uso e também possíveis descartes

    58 - Trocar toalheiro atual de tecido por toalhas de papel

    59 - Instalação de rampa de acesso para cadeirante no Desus/Call center (estar preparado para receber cadeirante)

    60 - Disponibilizar caixa coletadora de pilhas, baterias, óleo de cozinha...

    61 - Ampliar a disponibilização de serviços on line. caso do visto profissional entre outros

    62 - Estudar a possibilidade de frota com carros elétricos

    63 - Maior aproveitamento da iluminação e da ventilação natural

  • Anúncios

Biblioteca Virtual de Direitos Humanos


Você conhece a Biblioteca Virtual de Direitos Humanos da Universidade de São Paulo?

A Biblioteca foi criada pela Comissão de Direitos Humanos da Universidade de São Paulo e é um serviço que a Universidade de São Paulo coloca à disposição dos interessados, via Internet.

A Biblioteca conta com:
– os textos de Direitos Humanos, elaborados, aprovados e proclamados pelos organismos internacionais e ratificados pelo Governo brasileiro, todos em português;
– documentos e leis elaboradas pelo sistema Interamericano de Direitos Humanos e pelo Governo brasileiro;
– referências e textos bibliográficos sobre o tema;
– notícias de eventos programados ao longo de 1998, comemorativos dos 50 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, na USP e fora dela;
– pesquisas e material produzidos pela Universidade de São Paulo sobre Direitos Humanos;
– endereços de organismos e entidades que atuam na área;
– toda outra referência ou informação que julgar de utilidade para as universidades, os pesquisadores, os organismos governamentais e não governamentais, as entidades públicas e particulares.

Enfim, materiais para todos os que lidam com a defesa e a promoção dos Direitos Humanos no país.

Com este espaço interativo a Universidade de São Paulo julga estar colocando os seus saberes e as suas ciências a serviço da sociedade, e colaborando na promoção dos valores, da dignidade, do respeito, da tolerância, dos direitos e da cidadania de cada brasileiro.

A Biblioteca esta disponível no seguinte endereço: http://www.direitoshumanos.usp.br/

Anúncios

Banco Imobiliário com créditos de carbono


Quem nunca se divertiu com o famoso jogo de tabuleiro “Banco Imobiliário”, produzido no Brasil pela Estrela? Pois saiba que uma nova versão está no mercado e, com ela, será possível brincar e aprender sobre sustentabilidade.

Além de ser feito com plástico reciclado (que reduz a quantidade de lixo no planeta) e com plástico oriundo da cana-de-açúcar (sua matéria-prima sequestra emissões de carbono), o jogo todo se baseia em conceitos ecológicos. Em vez de comprar terrenos e construir imóveis em tradicionais ruas e avenidas das grandes cidades, você utiliza créditos de carbono para adquirir reservas naturais do Brasil ou regiões produtoras de cana-de-açucar.

As empresas de transporte e telefonia, comuns nas versões tradicionais, passam a ser companhias reciclagem mecânica, de energia eólica, e de reflorestamento. As cartas de sorte e revés têm a ver com turismo ecológico e poluição.

Comprar a Amazônia ou a Zona da Mata e possivelmente polui-las não é nada educativo, mas os demais conceitos sustentáveis do jogo podem criar uma consciência ambiental em muitas crianças.

O “Banco Imobiliário Sustentável” pode ser encontrado em todo o Brasil e custa, em média, R$ 80.

O Combate à Corrupção nas prefeituras do Brasil


A cartilha “O Combate a Corrupção nas Prefeituras do Brasil” é resultado da parceria da AMARRIBO com o Instituto Ethos e Transparência Brasil e sua publicação foi apoiada por diversas empresas.

Este texto tem como objetivo indicar caminhos que se podem trilhar no combate à corrupção. Ele é resultado da experiência bem sucedida da comunidade paulista de Ribeirão Bonito, da qual os autores participaram.

O testemunho sistemático de operações e atos suspeitos por parte de autoridades de Ribeirão Bonito, encabeçadas pelo então prefeito, levaram a organização não governamental Amigos Associados de Ribeirão Bonito (AMARRIBO) a liderar um movimento para o monitoramento, a cobrança e a contestação de atos das autoridades municipais, buscando para isso o apoio da comunidade.

Como resultado, o prefeito da cidade renunciou para não ser cassado, e hoje responde a diversos processos judiciais.

No curso do trajeto, os autores acumularam conhecimentos a respeito dos mecanismos empregados em fraudes municipais e dos instrumentos que se podem empregar para combatê-las.

A percepção pública é de que casos como o de Ribeirão Bonito não constituem exceção no Brasil. O acompanhamento e supervisão permanentes da conduta dos administradores públicos é uma forma essencial de controlar a corrupção. Para isso, é necessário informação. Por isso esta cartilha foi escrita.

Na primeira parte, descrevem-se os sinais típicos da presença de corrupção numa administração municipal, como identificá-los e quais as ações possíveis para combatê-la. A segunda parte relata a experiência de Ribeirão Bonito. A parte final reúne informações sobre instituições que podem ser acionadas para se contrapor à fraude, dispositivos legais pertinentes e outros dados.

Os autores agradecem à Ateliê Editorial a oportunidade da edição impressa, bem como às entidades e empresas que apoiaram a publicação e se dispuseram a disseminá-la mais amplamente. Agradecem também ao Instituto Ethos de Responsabilidade Social pelo apoio institucional prestado. Por fim, agradecem o empenho da Transparência Brasil na concretização deste projeto.

Tal como consta no site (www.amarribo.org.br), a cartilha pode ser reproduzida na íntegra – sem modificações – e sua distribuição não é limitada. Para obtê-la procure nas livrarias Cultura, Saraiva ou no Submarino. Ou faça o download: Cartilha de Combate a Corrupção nas Prefeituras do Brasil .Preço deste livro nas livrarias: R$12,00.

Eles disponibilizaram gratuitamente a versão eletrônica da cartilha, cujo conteúdo é o mesmo da cartilha impressa. No entanto, eles agradecem a quem desejar contribuir financeiramente para cobrir os custos com a divulgação da experiência, pois além de várias outras ações, a AMARRIBO está assumindo a administração do Hospital Santa Casa da Misericórdia, que de outra maneira teria fechado por falta de verbas.

Essa cartilha esta disponibilizada no blog do Pacto Global e no site da AMARRIBO.

Mais informações: www.amarribo.org.br

Planeje a suas férias: Pousadas sustentáveis são opções de descanso e envolvimento com o meio ambiente


Uma boa opção para quem não gosta de encarar roteiros muito populares, as pousadas do interior e do litoral brasileiro estão se adaptado à onda da sustentabilidade. A seguir, algumas dicas de locais bonitos e que seguem a nossa pegada:

Localizada próxima a Paraty (RJ) e em área de Mata Atlântica, a fazenda Eco- Farm usa energia captada de um moinho de água e realiza programas de reflorestamento, cerca de 84 mil mudadas já foram plantadas. Com almoço, café da manhã e guia inclusos os dormitórios custam por volta de R$ 290.

Em Piedade, cidade a 110 km de São Paulo, a Pousada Ronco do Bugio foi construída com materiais reutilizados, dá espaço para a divulgação do artesanato da região e emprega moradores próximos a pousada. A programação aos turistas inclui passeios de bicicleta e observação de pássaros. Com café da manhã incluso, a hospedagem fica em torno de R$ 500.

Em Aiuroca (MG), uma região que possui rios de águas cristalinas, algumas cachoeiras e vários animais comuns a regiões de serra, estão localizados os chalés Do Lado de Lá. Erguidos com pedras e materiais coletados na mesma região, eles são um dos mais altos chalés do Brasil, a mais de 20 mil quilômetros do nível do mar. O chalé mais simples custa cerca de R$ 400.

Os donos da pousada Picinguaba (Paraty/RJ), possuem uma ONG para tornar da sustentabilidade um conceito aplicável na região. O prédio traz decoração nativa brasileira aliada à arquitetura colonial portuguesa, característica da cidade. No cardápio há suco de laranja orgânico do pomar plantado na pousada e serviços de guia para caminhadas pela mata próxima. Com café da manhã incluso, os quartos saem por R$ 256.

Na capital do estado fluminense, o Santa Teresa Hotel, localizado no bairro de mesmo nome possui banheiros que aproveitam a água da chuva, piso de madeira reutilizada e coleta de água das chuvas para regar o jardim. Erguido em 1850 e alvo de restauração, o hotel possui vista para o Cristo Redentor e possui um clima parecido com o do interior. Preços ficam em torno de R$ 785.

Fonte: Ecycle

Brasil tem rua mais bonita do mundo


A rua vista por cima (Foto: Ricardo Stricher/PMPA)

Um túnel verde, formado pelas copas de mais de 100 árvores da espécie tipuana, é a principal atração da Rua Gonçalo de Carvalho, na zona sul de Porto Alegre, que ganhou, recentemente, o apelido de mais bonita do mundo. O status foi dado por um biólogo de Portugal que, encantado com as fotos que se espalharam pela internet, fez um post emocionado sobre o lugar. Agora, os quase 500 metros totalmente arborizados são o mais novo ponto turístico da cidade.

Quem visita a cidade faz questão de conhecer a rua, mas muitos não sabem que a luta para que a via fosse preservada foi grande. O artista gráfico Cesar Cardia, da associação de moradores do bairro e responsável pelo blog Amigos da Rua Gonçalo de Carvalho – Resistir é Preciso, lembra da dificuldade que enfrentaram, em 2005, para impedir a construção de  um edifício garagem na região e a “reforma” da rua, que seria alargada.

“Árvores seriam derrubadas e o calçamento de paralelepípedo seria substituído por asfalto. Os moradores acharam um absurdo e resolveram se mobilizar”, disse Cesar. Denunciaram o fato, saíram de porta em porta pedindo assinaturas, criaram um blog, pediram ajuda da mídia e começaram a receber e-mails até de fora do País. “Muitos nos apoiaram, mas chegamos a ser taxados de ‘inimigos do progresso’ porque não queríamos a ampliação da rua.”

A batalha foi, enfim, vencida em 2006, quando a prefeitura declarou a rua como Patrimônio Histórico, Cultural, Ecológico e Ambiental de Porto Alegre. Os paralelepípedos, que ajudam na preservação das árvores, já que não impermeabilizam o solo, foram mantidos e nenhuma tipuana foi derrubada. “Essa é a rua mais bonita do mundo não só pela beleza, mas também pelo histórico de luta que ela ostenta”, disse Cesar.

Por: Caroll Almeida – site: SWU

I Conferência Paranaense do Emprego e Trabalho Decente


O Trabalho Decente é uma condição fundamental para a superação da pobreza, a redução das desigualdades sociais, a garantia da governabilidade democrática e o desenvolvimento sustentável. Em inúmeras publicações, o Trabalho Decente é definido como o trabalho produtivo adequadamente remunerado, exercido em condições de liberdade, equidade e segurança, capaz de garantir uma vida digna.

No Paraná a Agenda do Emprego e Trabalho Decente começa a ser construída através da aprovação do decreto que cria o Grupo Executivo sobre o Trabalho Decente. Trata-se de um grupo tripartite, composto por representantes de instituições governamentais, de entidades de trabalhadores e empregadores, e que tem por objetivo fortalecer o diálogo e a execução de ações destinadas a garantir que o trabalho produtivo seja adequadamente remunerado e exercido em condições de liberdade, equidade e segurança. A criação do grupo está de acordo com o compromisso assumido pelo Brasil com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), que resultou na elaboração de um plano nacional voltado para a promoção do trabalho decente.

Como parte da Conferência Paranense, estão sendo realizadas as Conferências Macroregionais do Trabalho e Emprego Decente:

  • Sudoeste – Pato Branco – 30/09/11
  • Oeste – Cascavel – 07/10/11
  • Noroeste – Maringá – 20/10/11
  • Norte – Londrina – 21/10/11
  • Centro Sul – Ponta Grossa – 28/10/11
  • Litoral e RMC – Curitiba – 27/10/11

Mais informações: http://www.trabalho.pr.gov.br/sets/trabalhodecente/#

Primeira escola de garrafas PET é construída na Ásia


Construída em San Pablo, nas Filipinas, a escola feita com garrafas plásticas descartadas é a primeira deste tipo na Ásia. O objetivo do projeto é conscientizar a população sobre a importância da construção de novas escolas, além de dar novo uso a um material com descarte considerado problemático nos dias de hoje.

A escola foi construída com milhares de garrafas de 1,5 e 2 litros de refrigerante e água. As garrafas PET foram preenchidas com adobe líquido, que é constituído basicamente de terra crua, água, palha ou fibras naturais. A combinação, que é relativamente barata, chega a ser três vezes mais forte que o concreto.

Em Junho, a Fundação MyShelter organizou uma corrida para coletar as garrafas PET, a campanha foi considerada um sucesso. A escola foi construída com a ajuda de dezenas de voluntários. O terreno foi doado pelo governo local de San Plabo. A escola é apenas a primeira de muitas, já que Diaz pretende continuar com seu projeto e disseminar a ideia para outros países.

Veja mais fotos e informações: BottleSchoolProject

Fonte: Mundo Sustentável