• Icones
  • INSTRUMENTOS PARA CONSULTA

  • Conheça as 11 ações que os funcionários do CREA-PR se comprometeram a executar em sua rotina diária:

    1 - Desligar o monitor na hora do almoço
    * é obrigatório desligar CPU e monitor após o expediente

    2 - Apagar todas as luzes na saída para o almoço
    * é obrigatório apagar todas as luzes após o expediente

    3 - Trocar o uso de copinho plástico para o café/chá por caneca

    4 - Adotar o uso de garrafa de água, ao invés do uso constante de copinhos plásticos

    5 - Separar o lixo em: papel, vidro, plástico e orgânico

    6 - Manter em local definido folhas utilizadas na frente para nova utilização na impressora (verso)

    7 - Manter local definido para depósito de papel já usado nos 2 lados (para descarte)

    8 - Antes de guardar o papel para reuso ou destinação final tirar clips e grampos

    9 - Ficar alerta para identificar e avisar sobre lâmpada queimada, torneira vazando, descarga desregulada, paredes sujas, etc

    10 - Ter comprometimento com o cuidado do ambiente

    11 - Reaproveitar os envelopes de papel, com novos usos

  • Conheça as sugestões encaminhadas pelo corpo funcional

    1 - Implantar PGRS nas unidades do CREA-PR

    2 - Buscar parceria com cooperativas e associações de catadores de papel para destinação do lixo coletado de forma seletiva

    3 - Mapear os utensílios disponíveis para coleta de lixo (lixeiras, cores, suporte para copo, café e água)

    4 - Modernização do ar condicionado (Lda)

    5 - Substituir frota a gasolina para uso de biocombustível (etanol)

    6 - Melhorar processos buscando maior adesão à documentos eletrônicos

    7 - Implantar programa de redução do uso de papel

    8 - Instalar sensor de presença em locais de menor acesso (arquivos, bwc, por exemplo)

    9 - Substituir torneira dos banheiros por torneiras de pressão

    10 - Criar mensagem positiva, voltada a sustentabilidade, para inserir na assinatura dos e-mails dos funcionários

    11 - Adotar uso de 100% de papel reciclável

    12 - Disponibilizar garrafa térmica para água - uso nos veículos

    13 - Aquisição de picotador de papel (para destinação de material sigiloso / dados cadastrais, etc)

    14 - Verificar melhor forma de destinação para grampos e clips

    15 - Disponibilizar lixeira (tnt) para carro

    16 - Disponibilizar suporte de garrafa (individual) para veículo

    17 - Realizar campanha antitabagismo

    18 - Incentivar adoção de Programa "Carona Solidária"

    19 - Aquisição de caneca de alumínio (para chá e café) em subsituição aos copinhos plásticos

    20 - Rever procedimentos e alternativas a impressão constante de fichas cadastrais

    21 -Adequar a impressão de ARs / sobra de papel

    22 - Realização de Palestras sobre Educação Ambiental

    23 - Fornecer roteirização (GPS) aos agentes de fiscalização - segurança/tempo/produtividade

    24 - Estipular um local para anotar nº de memorandos tramitados internamente no setor, suprimindo assim a impressão do mesmo, deixando-o somente virtual ex: do administrativo para o fiscal)

    25 - Identificar se há alguma restrição de documento que não possa ser impresso em papel reciclado

    26 - Rever os formulários utilizados no atendimento, se é possível inserir alguns campos para anotação de dados da ficha cadastral, suprimindo assim sua impressão

    27 - Priorizar o uso de meios eletrônicos (e-mail, arquivos eletrônicos, etc)

    28 - Analisar formas de reduzir a poluição visual nas unidades do Conselho (painel eletrônico)

    29 - Verificar mecanismo que impeça a incidência direta de luz solar no ambiente de trabalho, de modo que se mantenha a iluminação e a ventilação através das janelas

    30 - Instalação de sistema eletrônico de controle de luz (acende e apaga com horário agendado)

    31 - Verificar a viabilidade de secadores de mão com ar quente em substituição de toalhas/papel

    32 - Incentivar o uso de bicicleta (casa/trabalho/casa)

    33 - Disponibilizar bicicletário e também um vestiário (troca de roupa e banho)

    34 - Promover o “dia sem elevador”

    35 - Verificar a viabilidade para disponibilizar ônibus de transporte ao corpo funcional

    36 - Desligar a máquina fotocopiadora ao sair

    37 - Incentivar o corpo funcional a praticar o voluntariado

    38 - Racionalizar recursos não abrindo as unidades em datas de vésperas de feriado (uma vez que é baixa a procura por atendimento)

    39 - Descartar o uso de máquinas de café (foi unanime que pouquíssimos usam) e retornar ao café disponibilizado aos setores pela Copa

    40 - Verificar se as sugestões acatadas, estão contempladas no projeto da nova sede (principalmente no tocante a racionalização de água, energia / torneiras de pressão, descarga inteligente, saboneteiras...)

    41 - Disponibilizar orientações ao corpo funcional a respeito do uso dos equipamentos e materiais (o que é mais correto em relação a ligar/desligar, pode reusar o papel na impressora, etc)

    42 - Disponibilizar local de coleta de pilhas e outros resíduos perigosos

    43 - Uso apenas de pautas eletrônicas nas Câmaras Especializadas

    44 - Extinguir memorandos impressos dentro de um mesmo setor

    45 - Inserir como projeto futuro a digitalização de processos e protocolos

    46 - Estudar o uso de envelope vai-e-vem de papel e não de plástico como é hoje

    47 - Redução de certos impressos / funcionários percebem que há sobra de material (ex. catálogo empresarial)

    48 - Reduzir o "volume" do lixo, amassando latas de alumínio, por exemplo

    49 - Não amassar as folhas de papel pois prejudicam a reciclagem

    50 - Disponibilizar palestras sobre o tema de sustentabilidade e apresentação de "cases" de outras empresas

    51 - Motivar os funcionários a adotar "1 dia sem carro"

    52 - Utilizar os banners já usados para a confecção de crachás e outros materiais.

    53 - Rever nº de lanches solicitados para as reuniões, evitando desperdício

    54 - Manter motivados os funcionários com a apresentação constante de sugestões que venham de encontro a filosofia do Pacto Global

    55 - Usar sacos plásticos com cores diferenciadas por tipo de lixo (contemplar no PGRS)

    56 - Instituir o "Dia da Doação" para doação de roupas, livros, objetos, etc

    57 - Comprar produtos de qualidade, evitando o não uso e também possíveis descartes

    58 - Trocar toalheiro atual de tecido por toalhas de papel

    59 - Instalação de rampa de acesso para cadeirante no Desus/Call center (estar preparado para receber cadeirante)

    60 - Disponibilizar caixa coletadora de pilhas, baterias, óleo de cozinha...

    61 - Ampliar a disponibilização de serviços on line. caso do visto profissional entre outros

    62 - Estudar a possibilidade de frota com carros elétricos

    63 - Maior aproveitamento da iluminação e da ventilação natural

Com 6 finalistas, está aberta a votação para escolher a pior empresa do mundo


O Greenpeace e a ONG Declaração de Berna realizam, desde 2000, uma premiação que escolhe a pior empresa do mundo, a partir de casos de violações de direitos humanos e crimes contra o meio ambiente.

Chamado “The Public Eye Awards” (algo como “olhos do público”), o prêmio tem na sua lista de finalistas, pela primeira vez, uma empresa brasileira, a Vale. A votação on-line está rolando e o resultado será revelado no dia 27, durante Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça.

Conheça as empresas finalistas e entenda porque elas concorrem a pior empresa do mundo, segundo a organização do prêmio.

1. VALE

(Nós transformamos florestas em minas e barragens. Não importa como)

Setor: Mineração, com 120 mil funcionários.

Origem: Brasil

Participação na polêmica construção da Usina de Belo Monte, reassentamento forçado de mais de 40 mil pessoas, condições desumanas de trabalho, medidas de proteção ambiental insuficientes e apreensão ilegal de terras. Em 2009, despejou cerca de 114 milhões de metros cúbicos de efluentes industriais e à base de óleo em rios e oceanos. No mesmo ano, sofreu 111 ações judiciais e 151 investigações criminais.

2. FREEPORT

(Uma ameaça aos indígenas e ao meio ambiente, não só na mina de ouro e cobre em Papua Ocidental)

Setor: Mineração de ouro e cobre, com 29.700 funcionários
Origem: EUA
Exploração da região de Papua Ocidental (na Indonésia) durante quatro décadas, com contaminação de rios e reservas naturais (todos os dias, produz cerca de 230 mil toneladas de rejeitos contaminados com metal pesado), repressão violenta e expulsão e marginalização de índios (muitos passaram a viver em favelas e tiveram sua cultura “arruinada”). “Essa forma de colonização econômica leva a uma desintegração social, prostituição e promove o aumento acentuado de infecção por HIV na população”

3. BARCLAYS

(Apostar em preços de alimentos os coloca fora de alcance, mas dá um saboroso lucro a Barclays)

Setor: Bancário, com 145 mil funcionários
Origem: Reino Unido
Especula preços de alimentos para comprar e vender contratos no mercado financeiro. O mercado de especulação de alimentos praticamente dobrou nos últimos cinco anos e o resultado foi um “dramático” aumento nos preços, que atinge comunidades pobres ao redor do mundo e aumenta ainda mais a fome e pobreza. Em alguns países, esse aumento leva a população a se endividar e muitas vezes a aceitar trabalhos em regime de exploração, além de “tirar” o dinheiro que seria usado pelas famílias em saúde e educação.

4. SAMSUNG

(É hora de encarar a verdade)

Setor: Eletroeletrônicos
Origem: Coreia do Sul
Uso de químicos tóxicos (alguns proibidos) sem proteção adequada aos trabalhadores e negação de responsabilidade de doenças adquiridas pelos funcionários devido a atividades da empresas. Vários foram diagnosticados com câncer relacionado ao uso dos produtos (alguns, inclusive, morreram jovens). Em testes, a empresa não revelou 10 dos 83 químicos usados, argumentando que a informação era de segredo comercial. Além disso, há pesada repressão a ativistas pelos direitos humanos.

5. SYNGENTA

(Como envenenamos pessoas e meio ambiente? Vendendo nossos pesticidas mais perigosos e minando a ciência independente)

Setor: Agroquímico, com 26 mil funcionários
Origem: Suíça
Marketing e venda agressivos e uso de herbicidas altamente tóxicos (um deles proibido na Europa, mas ainda comercializado em países do “sul” – ou seja, subdesenvolvidos ou em desenvolvimento). Muitos agricultores sofreram diversos efeitos agudos e crônicos devido ao manuseio dos produtos. Além disso, há o lobby. A empresa é acusada de realizar uma campanha de difamação contra um cientista crítico ao pesticida “atrazina”. A substância, que é proibida na Europa, foi banida pela Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA), mas após muitas reuniões “a portas fechadas” com os membros da agência, a empresas conseguiu o cancelamento da proibição.

6. TEPCO

(Nós não podemos lidar com aquilo que criamos)

Setor: Energia, com 38 mil funcionários
Origem: Japão
A maior companhia de energia do Japão opera os reatores da Usina de Fukushima e é acusada de não priorizar normas e padrões de seguranças e ter resposta ineficiente a situações de emergência. Investigações revelaram que a empresa subestimou o risco de catástrofes naturais, sem inspeções e manutenções adequedas. Laudos de inspeções foram falsificados e falhas estruturais não foram reparadas.

Empresas como Hershey (chocolate), Novartis (farmacêutica) e Shell/Exxon (petróleo) também foram nomeadas, mas não fazem parte da lista final para votação no público. Confira aqui todas as nomeações (em inglês).

Fonte: Superinteressante

%d blogueiros gostam disto: