• Icones
  • INSTRUMENTOS PARA CONSULTA

  • Conheça as 11 ações que os funcionários do CREA-PR se comprometeram a executar em sua rotina diária:

    1 - Desligar o monitor na hora do almoço
    * é obrigatório desligar CPU e monitor após o expediente

    2 - Apagar todas as luzes na saída para o almoço
    * é obrigatório apagar todas as luzes após o expediente

    3 - Trocar o uso de copinho plástico para o café/chá por caneca

    4 - Adotar o uso de garrafa de água, ao invés do uso constante de copinhos plásticos

    5 - Separar o lixo em: papel, vidro, plástico e orgânico

    6 - Manter em local definido folhas utilizadas na frente para nova utilização na impressora (verso)

    7 - Manter local definido para depósito de papel já usado nos 2 lados (para descarte)

    8 - Antes de guardar o papel para reuso ou destinação final tirar clips e grampos

    9 - Ficar alerta para identificar e avisar sobre lâmpada queimada, torneira vazando, descarga desregulada, paredes sujas, etc

    10 - Ter comprometimento com o cuidado do ambiente

    11 - Reaproveitar os envelopes de papel, com novos usos

  • Conheça as sugestões encaminhadas pelo corpo funcional

    1 - Implantar PGRS nas unidades do CREA-PR

    2 - Buscar parceria com cooperativas e associações de catadores de papel para destinação do lixo coletado de forma seletiva

    3 - Mapear os utensílios disponíveis para coleta de lixo (lixeiras, cores, suporte para copo, café e água)

    4 - Modernização do ar condicionado (Lda)

    5 - Substituir frota a gasolina para uso de biocombustível (etanol)

    6 - Melhorar processos buscando maior adesão à documentos eletrônicos

    7 - Implantar programa de redução do uso de papel

    8 - Instalar sensor de presença em locais de menor acesso (arquivos, bwc, por exemplo)

    9 - Substituir torneira dos banheiros por torneiras de pressão

    10 - Criar mensagem positiva, voltada a sustentabilidade, para inserir na assinatura dos e-mails dos funcionários

    11 - Adotar uso de 100% de papel reciclável

    12 - Disponibilizar garrafa térmica para água - uso nos veículos

    13 - Aquisição de picotador de papel (para destinação de material sigiloso / dados cadastrais, etc)

    14 - Verificar melhor forma de destinação para grampos e clips

    15 - Disponibilizar lixeira (tnt) para carro

    16 - Disponibilizar suporte de garrafa (individual) para veículo

    17 - Realizar campanha antitabagismo

    18 - Incentivar adoção de Programa "Carona Solidária"

    19 - Aquisição de caneca de alumínio (para chá e café) em subsituição aos copinhos plásticos

    20 - Rever procedimentos e alternativas a impressão constante de fichas cadastrais

    21 -Adequar a impressão de ARs / sobra de papel

    22 - Realização de Palestras sobre Educação Ambiental

    23 - Fornecer roteirização (GPS) aos agentes de fiscalização - segurança/tempo/produtividade

    24 - Estipular um local para anotar nº de memorandos tramitados internamente no setor, suprimindo assim a impressão do mesmo, deixando-o somente virtual ex: do administrativo para o fiscal)

    25 - Identificar se há alguma restrição de documento que não possa ser impresso em papel reciclado

    26 - Rever os formulários utilizados no atendimento, se é possível inserir alguns campos para anotação de dados da ficha cadastral, suprimindo assim sua impressão

    27 - Priorizar o uso de meios eletrônicos (e-mail, arquivos eletrônicos, etc)

    28 - Analisar formas de reduzir a poluição visual nas unidades do Conselho (painel eletrônico)

    29 - Verificar mecanismo que impeça a incidência direta de luz solar no ambiente de trabalho, de modo que se mantenha a iluminação e a ventilação através das janelas

    30 - Instalação de sistema eletrônico de controle de luz (acende e apaga com horário agendado)

    31 - Verificar a viabilidade de secadores de mão com ar quente em substituição de toalhas/papel

    32 - Incentivar o uso de bicicleta (casa/trabalho/casa)

    33 - Disponibilizar bicicletário e também um vestiário (troca de roupa e banho)

    34 - Promover o “dia sem elevador”

    35 - Verificar a viabilidade para disponibilizar ônibus de transporte ao corpo funcional

    36 - Desligar a máquina fotocopiadora ao sair

    37 - Incentivar o corpo funcional a praticar o voluntariado

    38 - Racionalizar recursos não abrindo as unidades em datas de vésperas de feriado (uma vez que é baixa a procura por atendimento)

    39 - Descartar o uso de máquinas de café (foi unanime que pouquíssimos usam) e retornar ao café disponibilizado aos setores pela Copa

    40 - Verificar se as sugestões acatadas, estão contempladas no projeto da nova sede (principalmente no tocante a racionalização de água, energia / torneiras de pressão, descarga inteligente, saboneteiras...)

    41 - Disponibilizar orientações ao corpo funcional a respeito do uso dos equipamentos e materiais (o que é mais correto em relação a ligar/desligar, pode reusar o papel na impressora, etc)

    42 - Disponibilizar local de coleta de pilhas e outros resíduos perigosos

    43 - Uso apenas de pautas eletrônicas nas Câmaras Especializadas

    44 - Extinguir memorandos impressos dentro de um mesmo setor

    45 - Inserir como projeto futuro a digitalização de processos e protocolos

    46 - Estudar o uso de envelope vai-e-vem de papel e não de plástico como é hoje

    47 - Redução de certos impressos / funcionários percebem que há sobra de material (ex. catálogo empresarial)

    48 - Reduzir o "volume" do lixo, amassando latas de alumínio, por exemplo

    49 - Não amassar as folhas de papel pois prejudicam a reciclagem

    50 - Disponibilizar palestras sobre o tema de sustentabilidade e apresentação de "cases" de outras empresas

    51 - Motivar os funcionários a adotar "1 dia sem carro"

    52 - Utilizar os banners já usados para a confecção de crachás e outros materiais.

    53 - Rever nº de lanches solicitados para as reuniões, evitando desperdício

    54 - Manter motivados os funcionários com a apresentação constante de sugestões que venham de encontro a filosofia do Pacto Global

    55 - Usar sacos plásticos com cores diferenciadas por tipo de lixo (contemplar no PGRS)

    56 - Instituir o "Dia da Doação" para doação de roupas, livros, objetos, etc

    57 - Comprar produtos de qualidade, evitando o não uso e também possíveis descartes

    58 - Trocar toalheiro atual de tecido por toalhas de papel

    59 - Instalação de rampa de acesso para cadeirante no Desus/Call center (estar preparado para receber cadeirante)

    60 - Disponibilizar caixa coletadora de pilhas, baterias, óleo de cozinha...

    61 - Ampliar a disponibilização de serviços on line. caso do visto profissional entre outros

    62 - Estudar a possibilidade de frota com carros elétricos

    63 - Maior aproveitamento da iluminação e da ventilação natural

  • Anúncios

Prêmio Nestlé de criação de valor compartilhado é realizado pela primeira vez no Brasil


Inscrições já estão abertas para projetos nas áreas de Nutrição, Água ou Desenvolvimento Rural. O projeto vencedor receberá R$ 100 mil

São Paulo, 1º de junho de 2012 – A Nestlé promove a primeira edição brasileira do Prêmio Nestlé de Criação de Valor Compartilhado, que já é realizado pela companhia globalmente desde 2009. O vencedor receberá R$ 100 mil, que deverão ser destinados à implementação ou continuidade de projetos nas áreas de Nutrição, Água ou Desenvolvimento Rural. As inscrições já estão abertas no site http://www.criandovalorcompartilhado.com.br e vão até o dia 15 de agosto.

Com o prêmio, a Nestlé reconhecerá projetos que tenham impacto significativo nas comunidades em que serão desenvolvidos. As participações são abertas tanto para pessoas físicas, maiores de 18 anos, quanto jurídicas – organizações governamentais, organizações não governamentais, empresas, universidades, associações, institutos e fundações.

O período de inscrições é a primeira etapa. Na sequência, os projetos passam por uma análise inicial da comissão julgadora, formada por executivos da companhia que atuam diretamente nas áreas descritas, profissionais do setor e um jornalista especializado em cobertura socioambiental. A terceira e última etapa trata-se da auditoria dos projetos pré-selecionados pela banca, de onde sairá o grande vencedor, que será anunciado no dia 15 de novembro pela Nestlé.

 

A realização do prêmio está alinhada com a estratégia da Nestlé em fomentar, divulgar e promover projetos na área de nutrição – tema que está entre os três pilares do conceito de Criação de Valor Compartilhado da companhia, ao lado da água e do desenvolvimento rural. Essa plataforma se fundamenta na premissa de que, para o sucesso dos negócios em longo prazo, tão importante quanto gerar valor para os acionistas é gerar valor para a sociedade que a empresa está inserida.

Para mais informações sobre o Prêmio Nestlé de Criação de Valor Compartilhado, os interessados devem acessar a página www.criandovalorcompartilhado.com.br.

 Informações para a Imprensa

CDN – Comunicação Corporativa

Mariana Lemos: (11) 3643-2705 – mariana.lemos@cdn.com.br

Ana Carolina Patrão: (11) 3643-2741 – ana.patrao@cdn.com.br

Daniela Belli: (11) 3643-2768 – daniela.belli@cdn.com.br

 

Relações com a Imprensa Nestlé Brasil

Claudia Galli – (11) 5508-9396 – claudia.galli@br.nestle.com

Rafael Ribella: (11) 5508-1631 – rafael.ribella@br.nestle.com

Anahi Guedes: (11) 5508-9395 – anahi.guedes@br.nestle.com

Anúncios

Krüger fala sobre EBDMs e mobilidade urbana no CBN Debate


O presidente do CREA-PR, engenheiro civil Joel Krüger, participou na manhã deste sábado do CBN Debate, apresentado na rádio CBN Curitiba pelo jornalista Álvaro Borba e que abordou o tema “O trânsito de Curitiba ainda tem solução?”.

Além de Krüger, que também é coordenador do curso de Engenharia Civil da PUC-PR, participaram Carlos Hardt, arquiteto urbanista e coordenador dos cursos de graduação em Arquitetura e Urbanismo da PUC-PR, e Clever de Almeida, presidente do IPPUC.

Durante a conversa, Krüger falou, entre tantos assuntos, sobre o estudo elaborado por uma equipe técnica do Conselho referente à consulta pública promovida pela Prefeitura Municipal de Curitiba, parte do processo licitatório que prevê a construção e operação de linha metroviária ligando a Cidade Industrial à área central de Curitiba, integrante do projeto Metrô Curitibano.

Segundo o presidente do CREA-PR, o resultado do estudo mostra preocupações relativas ao controle da qualidade dos serviços prestados pela Concessionária; à administração do contrato pelo poder público e usuários; à adequação dos projetos e as especificações gerais de materiais de acabamento a serem utilizados em terminais e estações; ao aumento futuro da capacidade de transporte de passageiros do Metrô; e ao equilíbrio econômico financeiro do contrato. “Existe uma necessidade premente de deixar claro as regras, incluídos aí os indicadores e as tarifas técnicas no plano de negócios. Esses itens não podem sobremaneira ficar nas entrelinhas”, disse.

Para o presidente do IPPUC, Clever de Almeida, o grande desafio do trânsito da capital paranaense diz respeito ao número crescente de veículos. “Temos aqui mais de 1,3 milhão de veículos, número que aumenta em média 4,5% ao ano, enquanto a população cresce 0,9% ao ano. A mobilidade urbana se faz a cada dia, com a necessidade e as demandas cotidianas”, falou.

Segundo o arquiteto e urbanista Carlos Hardt, o problema do trânsito é muito mais amplo e exige um amplo conhecimento da gestão da cidade. “A diminuição relativa dos automóveis nas vias depende da cultura do deslocamento. É preciso que a população sinta as vantagens do uso dos transportes coletivos sob os individuais, para que esse e outros tipos de modais se tornem efetivamente uma alternativa”.

Krüger citou no debate a realização dos EBDMs-Estudos Básicos de Desenvolvimento Municipal, elaborados ao longo de 2012 pelo CREA-PR e entidades de classe do Estado, bem como a reincidência do tema “mobilidade urbana” em todo o Paraná. “Percebemos que para conseguir maior clareza e fomentar o planejamento estratégico das cidades precisamos envolver toda a sociedade, e o trabalho de produção dos EBDMs tem mostrado isso. Reunindo diversas plateias interessadas no assunto, temos condições de avançar no tema dentro de um processo democrático. É preciso entender que democracia significa dividir o poder, e acredito que o coletivo tenha mais chance de acertos”, ponderou. “Tenho certeza que a engenharia e a agronomia têm soluções muito interessantes e criativas para o desenvolvimento do Paraná e que podem eliminar ações restritivas referentes ao trânsito como o pedágio urbano e o rodízio”, finalizou.

Os quatro blocos do programa podem ser ouvidos na íntegra no link http://www.cbncuritiba.com.br/site/texto/programa/Cbn+Debate/18

Fonte: CREA-PR

Helicóptero movido pela força humana


Em 1982, Steven Spielberg entrou para a história do cinema com o filme E.T. A cena da bicicleta que voa em direção à Lua marcou o imaginário de várias gerações.  Talvez por isso, o projeto abaixo, criado por alunos da Universidade de Maryland, faça lembrar o épico longa-metragem: o “pedalocóptero” levanta vôo a partir de pedaladas!

Os estudantes conseguiram fazer a estrutura voar por 50 segundos. São 32m de largura,13 m por pá e apenas 32kg. Para voar, o “Gamera II” precisa apenas da energia de uma pessoa:

Com o helicóptero movido pela força humana, os criadores pretendem levar o Prêmio Sikorsky, de U$250 mil, que será entregue no próximo mês de agosto.

Fonte: Consciência Ampla

Brasil é 8º país que mais incentiva energias renováveis


Apesar da posição, investimentos em energia renovável no Brasil tiveram queda no primeiro semestre de 2012.

Gerador de energia eólica em Gravatá, Pernambuco

Energia eólica em Pernambuco: estudo realizado pela KPMG Internacional analisa os incentivos dos governos para o setor.

O estudo Impostos e Incentivos para a Energia Renovável, realizado pela KPMG Internacional, apontou que o Brasil ocupa a oitava posição no ranking dos 23 países que mais adotam políticas de incentivo à geração de energia renovável.

Entre os programas nacionais destacados pela publicação estão:

  • o Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia, criado em 2002 pelo governo brasileiro para apoiar a produção de eletricidade a partir de biomassa, geração eólica e Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs);
  • o programa de apoio do BNDES, que oferece aos investidores diversas facilidades de financiamento para estimular a produção de energia renovável e
  • o regime fiscal destinado a produtores e importadores de biodiesel, que oferece reduções significativas no Programa de Integração Social (PIS) e na Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins).

Ainda de acordo com o estudo, apesar das boas notícias, os investimentos em energia renovável no Brasil tiveram queda no primeiro semestre de 2012. O cenário se repetiu em muitos outros países – e em especial na União Europeia – por conta da crise econômica.

Ainda assim, o cenário global parece positivo: em 2009, 83 países possuíam algum tipo de meta ou política de promoção à geração de energia renovável. Em 2012, esse número cresceu para 96, sendo que a maioria dessas nações tem economia emergente.

Confira o relatório Impostos e Incentivos para a Energia Renovável na íntegra, em inglês.

Fonte: Exame.com

País atinge padrão mundial em emissões de poluentes veiculares


Na esteira da Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável que aconteceu em junho no Rio de Janeiro, a boa nova é que o Brasil começa a se aproximar dos padrões internacionais de emissões veiculares. Entre 1995 e 2012, o Brasil reduziu a média de emissões de poluentes da frota nacional de 3,8 para 0,4 g/km, valor equiparável aos padrões internacionais. Segundo a Anfavea, esses números se justificam por uma legislação ambiental mais rigorosa no país.

{txtalt}Em 1988, houve a adoção do Proconve, programa que controla as emissões de poluentes para comercializar veículos. “Ele já está em sua quinta fase e, em comum acordo com as montadoras, tornou-se mais exigente”, diz Marcelo Bales, gerente da Cetesb, órgão de controle ambiental do estado de São Paulo. Para Francisco Satkunas, consultor da SAE, “as montadoras investiram em novas tecnologias de motores, reduzindo o consumo e as emissões de poluentes”. O Brasil teve redução de um terço nas emissões de CO2, principal responsável pelo efeito estufa. A chegada da tecnologia flex a partir de 2003 foi decisiva: o etanol neutraliza os gases de efeito estufa a partir do cultivo da cana. Em 2010, 40% da frota era de carros flex: 15 milhões de unidades de um total de 32,5 milhões. A previsão para 2017 é aumentar o consumo de biocombustíveis. Em relação a 2008, o etanol aumentará sua participação de 17,9% para 31,4%, e a da gasolina se reduzirá para 12,8%.

Para se adequar à legislação nacional e aos planos de redução de emissões internacionais, algumas montadoras já estabeleceram sua “agenda verde”. A Honda assume o compromisso global de diminuir as emissões em 30% até 2020, tomando como base seus níveis medidos no ano de 2000, e de zerá-las até 2050. Para a Mercedes-Benz, o objetivo é a redução de CO2 para 125 g/km até 2016, o que equivale a uma diminuição de 30% em comparação a 2007. A Ford estabelece um prazo mais longo, prometendo para 2025 amenizar em 30% a emissão de CO2. A Toyota é mais contida nesses objetivos e se compromete em diminuir apenas 5% os poluentes até 2015.

{txtalt}Fonte: Planeta Sustentável

“ONU Mulheres” recebe denúncias de injustiças e violações dos direitos humanos das mulheres em todo o mundo


ONU MulheresA ONU Mulheres está convidando indivíduos, organizações, grupos e redes para enviar observações por escrito – incluindo, mas não limitado a, reclamações, recursos e petições – à Comissão sobre o Status das Mulheres (CSW, na sigla em inglês), dando informações sobre supostas injustiças e violações dos direitos humanos das mulheres em todo o mundo. O prazo para essas inscrições é 01 de agosto de 2012.

O processo de comunicação tem como objetivo identificar as tendências emergentes na injustiça e práticas discriminatórias contra as mulheres, a fim de formular políticas públicas.

A ONU Mulheres, através da sua seção de Direitos Humanos, vai receber e compilar as reclamações pertinentes e as respostas dos governos em um relatório confidencial. Uma equipe de trabalho da Comissão, composta por representantes das cinco regiões, vai identificar tendências e padrões de injustiça e de práticas discriminatórias contra as mulheres. A equipe de trabalho vai apresentar suas conclusões em um relatório confidencial para o estudo da Comissão do Status da Mulher, durante sua sessão anual (CSW57) a ser realizada em março de 2013.

Para mais informações sobre a apresentação de reclamações, sobre os tipos de reclamações recebidos anteriormente, sobre o processo de comunicação ou informações de contatos, visite o site: www.unwomen.org/csw/communications-procedure-es

Seguem alguns exemplos de tipos de comunicações e de tendências e padrões identificados nos últimos anos: Continue lendo

Limpeza verde


Dá para limpar a casa toda com soluções naturais, que substituem de forma eficiente produtos como detergente, multiúso, antimofo… Você vai economizar muito, evitar alergias e outros problemas de saúde, e ainda ajudar a preservar o meio ambiente.

Vinagre, suco de limão e bicarbonato de sódio: com esse trio nas mãos, você ataca de mofo, limo e manchas a gordura, entupimento e odores fortes. Ele tem propriedades bactericidas, abrasivas e ácidas tão eficientes quanto os produtos industrializados, mas com a vantagem de não agredir a nossa saúde nem o meio ambiente. “O multiúso e o detergente contêm fosfato na fórmula, um elemento que facilita a remoção da gordura. Em excesso, porém, ele causa a eutrofização da água – processo que leva ao crescimento exagerado de algas e micro-organismos e, consequentemente, ao desequilíbrio ecológico”, explica Márcio Augusto Araújo, consultor de ecoprodutos do Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica (SP).

Embora no Brasil a quantidade de fosfato seja controlada, imagine o efeito provocado quando milhões de pessoas usam os produtos indiscriminadamente. “Os itens industrializados podem ser rastrea­dos, mas pior mesmo são os fabricados em `fundo de quintal’, que muita gente compra sem conhecer a fórmula e os efeitos colaterais”, diz o pesquisador Maurício Waldman (SP), autor do Guia Ecológico Doméstico (Ed. Contexto). Além das alergias na pele, podem ocorrer intoxicações causadas pelo forte odor e até envenenamento de animais domésticos. Abra mão também de detergentes, solventes e ceras que contenham compostos voláteis, cloro ou formaldeído, pois poluem o ar e provocam problemas respiratórios.

CONSUMO CONSCIENTE
Nas prateleiras dos supermercados já existem vários materiais de limpeza ecológicos, isentos de agentes químicos agressivos ou com o seu teor reduzido. Portanto, ao optar pelos industrializados, prefira os de baixo impacto ambiental. Maurício ressalta que é fundamental mudarmos os nossos hábitos de consumo. “As pessoas acham que basta limpar bem. Mas a ideia é sujar menos para dispor de uma quantidade menor de produtos químicos em casa, pois eles poluem os rios e matam os peixes. A água da máquina de lavar roupas que já tem sabão, por exemplo, é perfeita para higienizar o vaso sanitário ou tirar a sujeira do quintal”, ensina.

PRODUTOS SEM QUÍMICA
Na hora de limpar a casa, use estas receitas que garantem um ótimo resultado a baixo custo, não fazem mal à saúde nem poluem o ambiente

Vinagre
Com alta concentração de ácido acético, o líquido funciona como um potente desinfetante e desengordurante. Os melhores para a limpeza são o branco (de álcool) e o de maçã. Continue lendo