• Icones
  • INSTRUMENTOS PARA CONSULTA

  • Conheça as 11 ações que os funcionários do CREA-PR se comprometeram a executar em sua rotina diária:

    1 - Desligar o monitor na hora do almoço
    * é obrigatório desligar CPU e monitor após o expediente

    2 - Apagar todas as luzes na saída para o almoço
    * é obrigatório apagar todas as luzes após o expediente

    3 - Trocar o uso de copinho plástico para o café/chá por caneca

    4 - Adotar o uso de garrafa de água, ao invés do uso constante de copinhos plásticos

    5 - Separar o lixo em: papel, vidro, plástico e orgânico

    6 - Manter em local definido folhas utilizadas na frente para nova utilização na impressora (verso)

    7 - Manter local definido para depósito de papel já usado nos 2 lados (para descarte)

    8 - Antes de guardar o papel para reuso ou destinação final tirar clips e grampos

    9 - Ficar alerta para identificar e avisar sobre lâmpada queimada, torneira vazando, descarga desregulada, paredes sujas, etc

    10 - Ter comprometimento com o cuidado do ambiente

    11 - Reaproveitar os envelopes de papel, com novos usos

  • Conheça as sugestões encaminhadas pelo corpo funcional

    1 - Implantar PGRS nas unidades do CREA-PR

    2 - Buscar parceria com cooperativas e associações de catadores de papel para destinação do lixo coletado de forma seletiva

    3 - Mapear os utensílios disponíveis para coleta de lixo (lixeiras, cores, suporte para copo, café e água)

    4 - Modernização do ar condicionado (Lda)

    5 - Substituir frota a gasolina para uso de biocombustível (etanol)

    6 - Melhorar processos buscando maior adesão à documentos eletrônicos

    7 - Implantar programa de redução do uso de papel

    8 - Instalar sensor de presença em locais de menor acesso (arquivos, bwc, por exemplo)

    9 - Substituir torneira dos banheiros por torneiras de pressão

    10 - Criar mensagem positiva, voltada a sustentabilidade, para inserir na assinatura dos e-mails dos funcionários

    11 - Adotar uso de 100% de papel reciclável

    12 - Disponibilizar garrafa térmica para água - uso nos veículos

    13 - Aquisição de picotador de papel (para destinação de material sigiloso / dados cadastrais, etc)

    14 - Verificar melhor forma de destinação para grampos e clips

    15 - Disponibilizar lixeira (tnt) para carro

    16 - Disponibilizar suporte de garrafa (individual) para veículo

    17 - Realizar campanha antitabagismo

    18 - Incentivar adoção de Programa "Carona Solidária"

    19 - Aquisição de caneca de alumínio (para chá e café) em subsituição aos copinhos plásticos

    20 - Rever procedimentos e alternativas a impressão constante de fichas cadastrais

    21 -Adequar a impressão de ARs / sobra de papel

    22 - Realização de Palestras sobre Educação Ambiental

    23 - Fornecer roteirização (GPS) aos agentes de fiscalização - segurança/tempo/produtividade

    24 - Estipular um local para anotar nº de memorandos tramitados internamente no setor, suprimindo assim a impressão do mesmo, deixando-o somente virtual ex: do administrativo para o fiscal)

    25 - Identificar se há alguma restrição de documento que não possa ser impresso em papel reciclado

    26 - Rever os formulários utilizados no atendimento, se é possível inserir alguns campos para anotação de dados da ficha cadastral, suprimindo assim sua impressão

    27 - Priorizar o uso de meios eletrônicos (e-mail, arquivos eletrônicos, etc)

    28 - Analisar formas de reduzir a poluição visual nas unidades do Conselho (painel eletrônico)

    29 - Verificar mecanismo que impeça a incidência direta de luz solar no ambiente de trabalho, de modo que se mantenha a iluminação e a ventilação através das janelas

    30 - Instalação de sistema eletrônico de controle de luz (acende e apaga com horário agendado)

    31 - Verificar a viabilidade de secadores de mão com ar quente em substituição de toalhas/papel

    32 - Incentivar o uso de bicicleta (casa/trabalho/casa)

    33 - Disponibilizar bicicletário e também um vestiário (troca de roupa e banho)

    34 - Promover o “dia sem elevador”

    35 - Verificar a viabilidade para disponibilizar ônibus de transporte ao corpo funcional

    36 - Desligar a máquina fotocopiadora ao sair

    37 - Incentivar o corpo funcional a praticar o voluntariado

    38 - Racionalizar recursos não abrindo as unidades em datas de vésperas de feriado (uma vez que é baixa a procura por atendimento)

    39 - Descartar o uso de máquinas de café (foi unanime que pouquíssimos usam) e retornar ao café disponibilizado aos setores pela Copa

    40 - Verificar se as sugestões acatadas, estão contempladas no projeto da nova sede (principalmente no tocante a racionalização de água, energia / torneiras de pressão, descarga inteligente, saboneteiras...)

    41 - Disponibilizar orientações ao corpo funcional a respeito do uso dos equipamentos e materiais (o que é mais correto em relação a ligar/desligar, pode reusar o papel na impressora, etc)

    42 - Disponibilizar local de coleta de pilhas e outros resíduos perigosos

    43 - Uso apenas de pautas eletrônicas nas Câmaras Especializadas

    44 - Extinguir memorandos impressos dentro de um mesmo setor

    45 - Inserir como projeto futuro a digitalização de processos e protocolos

    46 - Estudar o uso de envelope vai-e-vem de papel e não de plástico como é hoje

    47 - Redução de certos impressos / funcionários percebem que há sobra de material (ex. catálogo empresarial)

    48 - Reduzir o "volume" do lixo, amassando latas de alumínio, por exemplo

    49 - Não amassar as folhas de papel pois prejudicam a reciclagem

    50 - Disponibilizar palestras sobre o tema de sustentabilidade e apresentação de "cases" de outras empresas

    51 - Motivar os funcionários a adotar "1 dia sem carro"

    52 - Utilizar os banners já usados para a confecção de crachás e outros materiais.

    53 - Rever nº de lanches solicitados para as reuniões, evitando desperdício

    54 - Manter motivados os funcionários com a apresentação constante de sugestões que venham de encontro a filosofia do Pacto Global

    55 - Usar sacos plásticos com cores diferenciadas por tipo de lixo (contemplar no PGRS)

    56 - Instituir o "Dia da Doação" para doação de roupas, livros, objetos, etc

    57 - Comprar produtos de qualidade, evitando o não uso e também possíveis descartes

    58 - Trocar toalheiro atual de tecido por toalhas de papel

    59 - Instalação de rampa de acesso para cadeirante no Desus/Call center (estar preparado para receber cadeirante)

    60 - Disponibilizar caixa coletadora de pilhas, baterias, óleo de cozinha...

    61 - Ampliar a disponibilização de serviços on line. caso do visto profissional entre outros

    62 - Estudar a possibilidade de frota com carros elétricos

    63 - Maior aproveitamento da iluminação e da ventilação natural

Ethos e a responsabilidade social das empresas com os direitos LGBT


Instituto lançou em 10/12 manual pioneiro sobre o compromisso das empresas com ações voltadas a lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais.
O tema dos direitos do público LGBT vem ganhando destaque no Brasil, consolidando uma agenda de proteção e defesa desses direitos, que precisam ser respeitados, independentemente do contexto social, político ou religioso.
Por isso, o Instituto Ethos lançou em 10/12, Dia Mundial dos Direitos Humanos, o manual O Compromisso das Empresas com os Direitos Humanos LGBT, uma publicação original e pioneira no tema, que busca fomentar o debate e estimular as empresas a adotar ações voltadas ao público LGBT, para a construção de um mercado de trabalho que respeite e promova os direitos humanos em geral e os direitos desse público em particular.
O manual se propõe a esclarecer conceitos relacionados ao universo LGBT, em sintonia com as demandas que envolvem as questões do trabalho e o mundo empresarial. Também esclarece os vínculos que existem entre a promoção dos direitos LGBT, a responsabilidade social empresarial e os negócios sustentáveis.
Para Jorge Abrahão, presidente do Ethos, esse manual dá continuidade ao trabalho da entidade de “dar voz às demandas de todos os segmentos sociais que impactam na empresa”. De fato, ao longo de seus quinze anos de atividades, o Ethos lançou publicações para orientar iniciativas socialmente responsáveis em relação a pessoas com deficiência, egressos do sistema prisional, mulheres e negros. “Agora, chegou a nossa vez”, disse o consultor Reinaldo Bulgarelli, sócio-diretor da Txai Consultoria & Educação, responsável pela pesquisa e redação do trabalho.
“A perspectiva dessa publicação é a dos direitos LGBT sob o prisma da cidadania, não do consumo”, continua Bulgarelli. “Não queremos que esse público seja entendido pelas empresas apenas como um número numa planilha. São pessoas que têm direitos e demandas, como quaisquer outras, e que também precisam ter seus direitos valorizados e promovidos no âmbito organizacional e no planejamento estratégico do negócio”, enfatiza.
Promoção e valorização da diversidade e dos direitos LGBT
O manual não traz uma “receita” de como promover os direitos LGBT, mas apresenta orientações e exemplos que já deram certo e que podem ser replicados por outras empresas.
O principal aspecto para promover os direitos LGBT é a valorização da diversidade em geral. “Eu não preciso ser negro para ser contra o racismo. E também não preciso ser gay para ser contra a homofobia. É essa a mensagem que a empresa precisa passar”, ressalta Beto de Jesus, um dos pesquisadores da publicação.
Por variados motivos, a diversidade ainda é desconsiderada nas empresas e, com isso, o que ela traz consigo: a pluralidade de características, as perspectivas, as expectativas e as demandas concretas que ela apresenta para as organizações e suas atividades.
De um modo geral, em nossa sociedade, há a promoção de um único padrão, eleito como o normal, o bom, o belo, o correto, e em torno desse padrão único são planejadas todas as coisas, dos espaços arquitetônicos aos benefícios oferecidos aos empregados, da comunicação aos produtos, serviços e atendimento oferecidos aos clientes. Por várias razões, em nosso país esse padrão de normalidade tem sido masculino, heterossexual, branco, sem deficiência, adulto, magro, católico, entre outros atributos que se confundem com os acima citados de normalidade, moralidade, beleza e capacidade para decidir e liderar as organizações. Com base nesse padrão único se formam os estereótipos, surgem preconceitos e práticas de discriminação que nem mesmo são reconhecidas como tais, uma vez que o correto é ter o perfil deste padrão.
Assim, valorizar a diversidade, especificamente a diversidade sexual, significa reconhecer que há pessoas, no ambiente de trabalho, que não são heterossexuais ou que não se identificam com o sexo de nascimento. E, a partir desse reconhecimento, criar um ambiente de diálogo e esclarecimento, buscando soluções com foco no cuidado com a qualidade das relações entre todas as pessoas. Essas soluções vão desde lidar com comentários e piadas que desqualificam, ridicularizam, intimidam e atacam a moral e autoestima das pessoas até promover mudanças no planejamento estratégico do negócio.
“A empresa se torna mais perene quando consegue combinar os interesses legítimos da sociedade com os interesses legítimos do negócio expressos em seu propósito, maneira de ser, de realizar suas atividades e se relacionar com diferentes stakeholders”, finaliza Jorge Abrahão, presidente do Instituto Ethos.
O manual está disponível gratuitamente apenas on-line, no site do Ethos (www.ethos.org.br), em “Centro de Mídia”, “Publicações”.
Os dez compromissos com os direitos LGBT
Em março de 2013, uma parceria entre a Txai Consultoria e o Instituto Ethos mobilizou mais de 30 grandes empresas que formaram o Fórum de Empresas e Direitos LGBT, um espaço de diálogo, de compartilhamento de boas práticas e de ampliação do movimento por afirmação dos direitos humanos de pessoas LGBT na gestão empresarial. São empresas como Accenture, Alcoa, Anglo American, Atento, Basf, BB Mapfre, Bradesco, Bunge, Caixa, Carrefour, Ceva Logistics, Citi, Deloitte, Dow, GE, Google, Grupo Fleury, HSBC, IBM, IFF, International Paper, Itaú Unibanco, KPMG, Masisa, Metrô SP, Monsanto, Oracle, P&G, Pernambucanas, Pfizer, Porto Seguro, PwC, Santander, SAP, Walmart e Whirlpool.
Durante as discussões nesse fórum, os participantes elaboraram os 10 Compromissos da Empresa com a Promoção dos Direitos LGBT, de maneira a criar uma agenda de ações práticas que expressasse as demandas legítimas da sociedade, a normativa internacional de direitos humanos, as expectativas do movimento de responsabilidade social empresarial e os diálogos em torno das práticas já presentes em algumas empresas no Brasil.
Eles foram desdobrados em indicadores que permitem às empresas realizar um diagnóstico sobre a questão dos direitos LGBT.
Esses compromissos serão apresentados para adesão da alta liderança das empresas, na expectativa de que se desdobrem em ações de valorização de práticas e de posicionamentos em favor da promoção dos direitos LGBT.
São eles:
   Comprometer-se – presidência e executivos – com o respeito e a promoção dos direitos LGBT.
Promover igualdade de oportunidades e tratamento justo às pessoas LGBT.
Promover ambiente respeitoso, seguro e saudável para as pessoas LGBT.
Sensibilizar e educar para o respeito aos direitos LGBT.
Estimular e apoiar a criação de grupos de afinidade LGBT.
Promover o respeito aos direitos LGBT na comunicação e marketing.
Promover o respeito aos direitos LGBT no planejamento de produtos, serviços e no atendimento aos clientes.
Promover ações de desenvolvimento profissional a pessoas do segmento LGBT.
Promover desenvolvimento econômico e social de pessoas LGBT na cadeia de valor.
Promover e apoiar ações em prol dos direitos LGBT na comunidade.

Por Cristina Spera (Instituto Ethos)

11/12/2013

Fonte: Instituto Ethos

%d blogueiros gostam disto: